Registro de suicídios em Araras nesse ano já supera 2012

Depressão e outros transtornos mentais listam entre as principais causas de suicídio entre os jovens

Preste atenção nas seguintes informações: 26 brasileiros cometem suicídio, todos os dias. A taxa entre os jovens cresceu 30% nos últimos 25 anos, de acordo com pesquisa feita pelo psiquiatra José Manoel Bertole e inserida no livro “O Suicídio e sua Prevenção”, publicado pela editora Unesp (Universidade Estadual de São Paulo).
Esse índice está na contramão de países desenvolvidos, como os Estados Unidos, Alemanha e Austrália que, para conter as mortes, adotaram políticas públicas de saúde.
Em Araras, a situação não é diferente! Dados da Polícia Civil confirmam o aumento até a primeira semana de novembro – quando ocorreram os dois últimos casos. O registro de tentativas em 2012 foi bem maior, se comparado com 2013 (65 casos contra 27). Mas os suicídios consumados já superou 2012 (7 contra 2). E, como na tendência nacional, grande parte das vítimas são jovens.
O assunto ainda é tabu para a área da saúde e também para grande parte dos veículos de comunicação, e muitos já tratam o assunto no âmbito da saúde pública. Tribuna, por exemplo, adotou há anos postura ética de não divulgação de casos de suicídios e estupros.
Transformações nos relacionamentos
Um estudo feito pela OMS (Organização Mundial da Saúde) mostra que a cada 10 casos, 9 estão relacionados a alguma patologia como transtornos de humor, depressão e uso de drogas.
“A depressão é um fator que pode contribuir para a tentativa de suicídio nos jovens, pois a doença está presente em um número considerável. Pelo fato de alterar o funcionamento psíquico e físico, a sensação de tristeza, impotência, desânimo e desespero podem se tornar constantes e contribui para a ideia da morte”, explicou a psicóloga ararense Caroline Mazon Gomes.
Ela apontou outros fatores da vida moderna que podem contribuir para o aumento dos registros. “Um deles é a solidão provocada pela internet, pois o jovem passou a se relacionar de forma virtual com seus pares, o que torna as relações vazias, sem preenchimento afetivo”, disse. Essa fuga contribui para mascarar os sintomas da depressão e a explicação pode ser encontrada em nossa fantasia. “O mundo virtual permite que qualquer um seja o que quiser”, argumentou.
O mundo 100% conectado, que deveria contribuir para facilitar a comunicação, interfere no modo que nos relacionamos. “Tanto o relacionamento social, quanto o afetivo, estão prejudicados, pois o ser humano não dedica seu olhar ao outro com a mesma freqüência como era comum anos atrás”, justificou.
Com isso, o tabu adotado pela sociedade atual começa a ser questionado. Estudos confirmam que falar sobre o suicídio não tem o poder de induzir uma pessoa a se matar. Para isso, é preciso ficar atento a alguns detalhes, já que, ao contrário do que também se acreditava, a pessoa pode revelar sinais de que alguma coisa não está bem em seu campo emocional.
“Aquela estória de quem fala que vai se suicidar, e não faz, não deve ser considerada como verdade. Muitas vezes, o jovem oferece alguns indícios de que essa fala é verdadeira, mas a família não acredita ou não dedica a atenção necessária”, detalhou.
Não existe regra para reconhecer uma personalidade suicida, mas a especialista orienta que a família pode observar mudanças bruscas no comportamento. “O isolamento social, a tristeza, desânimo, é possível observar essas mudanças no comportamento. Tais sentimentos são indícios de um quadro depressivo que pode estar se instalando”, disse.
Assim como apontou a pesquisa da OMS, o uso de drogas também contribuiu para essa triste realidade. “Elas podem contribuir, pois, dependendo do vício e da dependência, os delírios e as alucinações decorrentes do uso podem acarretar uma tentativa ou ato consumado do suicídio”, finalizou.
Números da OMS sobre o suicídio
• 1 milhão de pessoas morrem em todo mundo por ano
• O crescimento é de 60% nos últimos 45 anos
• Para cada ato consumado, são registradas até 20 tentativas
• O número de casos ainda é maior entre os idosos, mas a incidência cresce entre os jovens

Fonte: Organização Mundial da Saúde

Compartilhe

Por em 9 de novembro de 2013. Arquivado em Manchete,Segurança. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta notícia através do RSS 2.0. Both comments and pings are currently closed.

Um comentário

  1. CARLOS DE ALENCAR RAMOS disse:

    Parabéns para a tribuna do Povo em ter cautela na divulgação de notícias trágicas ,não que outros meios de comunicação de Araras levam essas informações, mas é duro para a família o momento ,pois é uma coisa particular de cada pessoas e causas , distúrbios etc .