Jorge Roberto Vieira Aguiar Filho – atua há 12 anos na área jurídica e acadêmica

 

Vida dedicada ao judiciário

 

Aos 36 anos, o advogado ararense Jorge Roberto Vieira Aguiar Filho acumula larga experiência na área jurídica, principalmente no direito empresarial e público. Casado com Camila Nava Aguiar e pai do pequeno Gabriel Henrique Nava Aguiar, de 8 anos, o profissional coordena o curso de Direito da Unar (Centro Universitário de Araras Doutor Edmundo Ulson) e mantém sociedade no escritório Aguiar Advogados Associados.

Construção da carreira

Apesar do pai ter construído sua carreira na área odontológica, Jorge optou pelo direito. Começou a graduação na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba) e concluiu o curso no campus de Leme da Anhanguera Educacional. Em seguida, concluiu a especialização e o mestrado em direito público na Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto), área que sempre esteve atuante.

Seu currículo conta com cargos de destaque na área da administração pública, dentre elas assessor jurídico do Saema (Serviço Municipal de Água, Esgoto e Meio Ambiente), secretário jurídico da Câmara Municipal de Araras e ainda secretário municipal de Negócios Jurídicos da Prefeitura de Cordeirópolis. Seu conhecimento abrange ainda o setor empresarial, no qual define que o papel de um jurista também inclui a prevenção.

“Nessa área desenvolvo o trabalho preventivo em empresas, seja na tributária – considerada um dos principais problemas atuais nesse ramo – e também no setor contratual”, explicou. Sua atuação inclui ainda a área acadêmica e, há 10 anos, é professor do curso de direito da Unar. No início desse ano assumiu o cargo de coordenador do curso, além de prestar assessoria jurídica para a instituição de ensino.

 

Vida acadêmica

Foi no ambiente acadêmico que o jurista contribuiu para a idealização de um importante projeto: o Cejusc (Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania), localizado no campus da Unar.

Criado há um ano, o centro atende demandas pré-processuais, que são casos que ainda não chegaram ao Poder Judiciário e que podem ser resolvidos através de um acordo. “Nosso objetivo foi desafogar o Judiciário e o espaço oferece qualquer tipo de atendimento. 70% dos casos atendidos pelo Cejusc são solucionados. Além desse serviço, o projeto permite oferece suporte para os alunos, através de plantões”, disse.

 

Mudanças no Judiciário

Questionado sobre os avanços, e também as dificuldades, do Poder Judiciário brasileiro, ele argumenta que existem os dois lados. “O ponto mais positivo, que pode ser considerado como a mais importante mudança nos últimos 100 anos, é a informatização. Esse investimento ajudou a agilizar os processos e descongestionou as Varas dos Fóruns e nos cartórios”, indicou. Tal mudança, desenvolvida nos últimos dois anos, contribuiu ainda para os trabalhos dos advogados, juizes e promotores. “Mas ainda temos muito a percorrer e a mudança total ainda dependerá de longos anos. Fora outros problemas técnicos que os juristas encontram na rotina diária”, disse.

Sobre a atuação forte do STF (Supremo Tribunal Federal) nos últimos anos, que discutiu temas delicados desprezados pelos poderes Legislativo e Executivo, como a união civil gay e o mensalão, Jorge reconhece como positiva a confiança da população brasileira com o Judiciário. “Vivemos em uma democracia, temos os três tentáculos (Executivo, Legislativo e Judiciário) e as mudanças na sociedade contribuíram para o aumento do respeito com essas decisões”, explicou.

No caso do mensalão, tema que domina a mídia nos últimos anos, Jorge espera que o resultado seja feito conforme o desejo popular. “No caso do mensalão a população clama pela justiça. Mas é preciso cuidado, já que, muitas vezes, o que você aplica como direito nem sempre se faz justiça”, disse. Para ele, a população enxerga a justiça como um guardião. “Para que a democracia funcione é preciso que exista a independência dos três poderes. Quando existe o conflito entre eles, o resultado para a nossa democracia é ruim”, finalizou.

Compartilhe

Por em 14 de setembro de 2013. Arquivado em Entrevistas,Novidades. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta notícia através do RSS 2.0. Both comments and pings are currently closed.

Comentários desativados.