Araras, 20 de outubro de 2017

         Com uma fala mansa, e em tom cômico e divertido, o músico Ricardo Sagioratto, 62, conhecido como Azeitona, contou um pouco da sua... Entrevista – A irreverência do músico Ricardo Sagioratto, o Azeitona
Compartilhe em suas redes sociais!

         Com uma fala mansa, e em tom cômico e divertido, o músico Ricardo Sagioratto, 62, conhecido como Azeitona, contou um pouco da sua história, e como deu a volta e conheceu o mundo com o seu trabalho. Azeitona morou em São Paulo, na Europa e no Japão, e sempre trabalhou na mesma área, que o cativa desde criança.

         Apesar de ter nascido e vivido um bom tempo em São Paulo, Azeitona hoje mora em Araras, e tem família por aqui há muito tempo – a própria avó residia aqui. Quando pequeno, costumava vir pra cá nas férias. Mas decidiu mesmo morar em Araras quando fez 18 anos. Trabalhou tentando a vida em Limeira por algum tempo, mas acabou voltando pra São Paulo. “Estudei muita música. Em São Paulo fiz música para teatro, cinema, televisão”, conta ele, que ainda trabalhou com direção musical e teve proximidade com grandes nomes da cultura nacional. Azeitona conta que chegou até a ensaiar com Elis Regina e foi assistente do consagrado maestro Paulo Herculano (que morreu em janeiro). “Foi onde eu aprendi tudo”.

         Mas a carreira tomou novos rumos e o músico decidiu topar o desafio de trabalhar a bordo de um navio transatlântico. E não foi por pouco tempo: ao menos por meia década da vida ele trabalhou embarcado. “Eu sou um cigano. Fiquei cinco anos dentro de um navio, trabalhando, tocando. Foi por isso que acabei indo parar em Portugal”, pontua. E o país abrigou Azeitona por mais alguns anos. “Acabei não voltando mais”, conta.

         De fato, a vida do maestro e contrabaixista – que na infância começou tocando acordeon – mudou, e ele se encantou por outros lugares. Azeitona viajou por diversos países do mundo para tocar e, além de Portugal, morou na Bélgica, Alemanha e França, mas se apaixonou mesmo pelo Japão. Ele admite que “arranha” o idioma japonês. Também pudera: o músico viveu por 20 anos no país asiático – e sempre trabalhando com música! Lá, conviveu com Luizão Maia, trabalhou com o pianista Paulo Gomes, com a nata da bossa nova e da MPB, e com músicos japoneses de primeira linha. “O japonês adora a música brasileira.”

         Parte da sua família também está no Japão. Azeitona tem dois filhos: um é japonês e o outro é brasileiro – Daniel Baeder, baterista internacional –, e que curiosamente, se casou com uma japonesa e hoje também vive por lá. Azeitona já é vovô, e a netinha é japonesa… E mesmo se comunicando com os filhos apenas pelo Skype e pela internet, o músico mostra sua admiração por Araras e seu prazer em morar por aqui, apesar da distância e da saudade.

         Azeitona voltou para o Brasil para ficar mais perto e cuidar dos pais, que também se mudaram para Araras há bastante tempo.

         Mas ele ainda toca bastante, e continua produzindo e trabalhando – entre os trabalhos, produziu aqui em Araras, com Pidinho Storolli, o CD do Carlos Castelo (Língua de Trapo) e do guitarrista Tiago Celtron. E, claro, mantendo o seu tom irreverente!

 

PING PONG

PERFIL

Nome completo: Ricardo Sagioratto (Azeitona)

Idade: 62 anos

Profissão: Músico

Formação: Maestro

 

VIAGEM

Melhor já feita: LSD (risos)… Japão

Sonha fazer: Tibete

Dica (de viagem): Vá conhecer o Japão… Você vai adorar!

 

PERSONALIDADE

O que te define: Introspectivo

Defeito: Todos (risos)

Qualidade: A música. Ela me mantém vivo

Sonho: Acordar e saber que o mundo está em paz

 

IDENTIDADE

Família: Estorvo (risos)

Saudade: Do Brasil, antes da ditadura

Mulher de coragem: Minha mãe, Ida

Homem forte: Meu primo, Luisinho Chiaradia

 

VISÃO NACIONAL

Política: Anarquismo

Sociedade: Nojenta

Quem melhor representa o Brasil: Não tem (República dos “Bacanas”)

 

POLÍTICA LOCAL

Nome: Nelson Brambilla (na área da Saúde, um dos melhores prefeitos que vi)

Uma ação: Melhorar o sistema de Saúde pública em Araras

Necessidade: Vida noturna

 

ARARAS

Uma escola: Estudei em São Paulo

O que te agrada: Tranquilidade

O que te incomoda: Só a falta de vida noturna

Ponto preferido: Praça Barão de Araras e Lago Municipal

 

CULTURA

Livro: 1808 (Laurentino Gomes)

Trilha sonora: Tom Jobim

Sessão pipoca: E la nave va (direção de Federico Fellini)

Quem brilha: E como brilhou: Elis Regina!

Compartilhe em suas redes sociais!

Célio Casarin