Araras, 19 de setembro de 2017

  Oswaldo Scardua completa em 1º de abril deste ano, 61 anos trabalhando no mesmo emprego – na Casa Orfalli. O primeiro e único... 61 anos de casa
Compartilhe em suas redes sociais!

 

Oswaldo Scardua completa em 1º de abril deste ano, 61 anos trabalhando no mesmo emprego – na Casa Orfalli. O primeiro e único que já teve desde 1956. Ele tinha 10 anos quando esta história começou.

Sua mãe, Ângela Luizon Scardua, em um determinado dia, logo pela manhã avisou Oswaldo e seu irmão de 11 anos Pedro Scardua, de que ela iria sair e encontrar emprego para os dois. Ao final dia ao retornar, comunicou que havia arranjado duas vagas, uma em uma marcenaria (Marcenaria Mazon) e a a outra em uma loja – na Casa Orfalli – que nesta época ficava localizada ao lado da atual loja na Vereador Cesário Coimbra.

“Mais que rapidamente meu irmão disse que iria para a marcenaria e eu fiquei com a loja. No dia seguinte já comecei a trabalhar. Eu e meu irmão nos levantamos cedo, ele entrou às 7h e eu às 8h”, lembrou ele.

O primeiro dia de trabalho de Oswaldo foi um pouco incomum. Primeiro porque era pequeno demais para ser vendedor e dividia-se em diversas funções e o segundo, e que mais chama a atenção, é que ele foi trabalhar descalço, já que a condição financeira da família era precária.

“No início fazia de tudo, ajudava a arrumar, dobrar tecidos e um pouco de cada coisa. Vim descalço porque meu pai não tinha condição de prover para 11 filhos”, emendou.

O calçado então, foi a primeira conquista de Oswaldo com o suor de seu trabalho. O par de Alpargatas foi comprado no dia seguinte, após começar no emprego.

“Alpargatas Roda eram muita baratinhas e vendiam aqui na loja, então comprei para vir trabalhar. Parecia tudo bem, mas dei um grande azar. Neste primeiro dia usando o calçado, caiu uma chuva muito forte na hora do almoço e minhas Alpargatas ficaram encharcadas. Era de tecido e tinha um peso muito grande quando se molhavam. Depois os dias foram seguindo e eu fui trabalhando até hoje”, revelou Oswaldo.

Com o tempo se tornou vendedor e a melhora na vida profissional também ajudou a melhorar o sustento da família. “Eu e meus irmãos dávamos nossos salários para minha mãe e ela podia comprar no armazém e cuidar da família”, continuou.

Hoje gerente, ele lembra que na época não era permitido que crianças trabalhassem. “Era proibido, então quando a fiscalização surgia eu me escondia no fundo da loja. Na época era comum contratar crianças para ensinar o serviço desde pequeno. Para aprender é bom começar cedo. Não vejo nada de errado, eu não morri e estou aí muito bem. Eu trabalhava e ainda podia viver a infância, porque saía da loja às 18h e ia jogar bola no Oratório São Luiz (ao lado)”, enfatizou.

A vida pessoal, após tantos anos se entrelaçou a vida profissional. Os patrões e irmãos Alberto (falecido há 4 anos) e Albertina Urfalli foram padrinhos de casamento de Oswaldo com Maria do Socorro Cavalcante Scardua (falecida) em 1971.

Oswaldo conta que durante estes anos surgiram outras oportunidades, mas ele nunca sentiu vontade de mudar de emprego. “Me chamaram para trabalhar em banco e ouras lojas, mas gostava do ambiente e eles eram bons para mim. Nunca quis sair”, explicou.

Já aposentado há 24 anos, hoje ele cuida de toda administração da loja e inclusive de Albertina que tem 88 anos. “Hoje sou eu quem compro, vendo, faço pagamentos aos fornecedores e ajudo a Albertina, levando no médico e outras assistências”, completou.

O gerente não sabe qual será o futuro, mas deseja continuar com a loja aberta. “Albertina não quer que feche porque herdou dos pais Nagibi e Wabiria Urfalli. Mas ela tem 10 sobrinhos (nove em São Paulo e um em Araras) e se eles deixarem eu pretendo manter a loja aberta mais um tempo e quando não der mais, passar para frente”, finalizou.

Ping Pong (complete com uma ou pouquíssimas palavras)

Perfil

Nome completo: Oswaldo Scardua

Idade: 71 anos

Profissão: gerente de loja

Formação: 1º grau completo

Viagem

Melhor já feita: Portugal

Sonha fazer: Espanha

Uma dica: viajar por países europeus, pela cultura

Personalidade

O que te define: sou um homem de personalidade

Defeito: não tenho

Qualidade: faço amizade fácil e generoso

Sonho: ver minha neta (Isabella Scardua) crescer e morar em Portugal

Identidade

Família: tudo

Saudade: dos meus pais

Mulher de coragem: minha mãe (Ângela Luizon Scardua)

Homem forte: meu pai (Anselmo Scardua)

Visão Nacional

Política: uma vergonha

Sociedade: precisa ser mais fraterna

Quem melhor representa o Brasil: o povo brasileiro

Política local

Nome: Ivan Estevam Zurita

Uma ação: investimentos feitos em Educação e Saúde

Necessidade: mais segurança (urgente)

Araras

Uma escola: E.E Ignácio Zurita Junior

O que te agrada: restaurantes e Parque Fábio da Silva Prado (Lago Municipal)

O que te incomoda: falta de segurança

Ponto preferido: Parque Fábio da Silva Prado (Lago Municipal)

Cultura

Livro: A Caminha de La Luz de Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier)

Trilha sonora: André Rieu (violinista)

Sessão pipoca: Assim Caminha a Humanidade

Quem brilha: Papa Francisco

Compartilhe em suas redes sociais!

Rebeca Petrucci